Até agora configuramos o roteador e começamos a colocar as coisas em seus lugares no NAS. Mas até o momento, todo o acesso ao NAS, ao roteador e à internet em si tem sido através de um cabo de rede, o que é bastante limitado e desconfortável, apesar de ser mais rápido. Mas já que performance não é o que buscamos neste momento em particular, vamos nos livrar do cabo para poder continuar configurando nossa rede profissa de qualquer lugar dentro da cobertura do ponto de acesso WiFi.

Eu já mencionei anteriormente que caso você possua um roteador WiFi melhor do que o presente no roteador fornecido pelo seu ISP, use-o. Como você pode saber isso? Na verdade é fácil. Praticamente qualquer roteador que possua WiFi e não seja o da operadora é melhor do que o da operadora. Você não vai precisar de nenhum dos recursos deste roteador WiFi, exceto o próprio WiFi. Ele será reduzido a um ponto de acesso (access point) WiFi e só.

O termo técnico para esta função é 'modo bridge'. Você colocará o roteador WiFi adicional em 'modo bridge' e ele vai simplesmente funcionar como uma 'ponte' sem fio entre os dispositivos WiFi que você possuir (notebooks, smartphones, tablets etc) e a rede já previamente configurada no NAS. Serviços como DHCP, DNS e outros virão todos do NAS e apenas passarão pelo roteador WiFi.

Tenho um Time Capsule, da Apple. O primeiro que surgiu, lá em fevereiro de 2008. É tão velho que nem a página de especificações do fabricante está disponível mais. Como tudo que vem da Apple, o hardware é bem projetado e o software escroto caga tudo. Mas como eu estou interessado no hardware, foda-se a Apple e o software de merda dela.

Este Time Capsule é uma unidade relativamente compacta e bonita que possui um rádio com potência de 20dBm (ou vinte decibéis miliwatt) acoplado a um arranjo de três boas antenas internas. Para efeitos de comparação, o roteador que o ISP me forneceu, o tal Arris TG862 que é um monstro de grande e feio, possui um rádio com potência máxima de 17,5dBm quando em modo 802.11n, acoplado a uma única antena também interna e de merda. A diferença da antena e esses 2,5dBm de diferença podem parecer pouco, mas em uma construção da década de 60 com paredes grossas de tijolos, eles garantem a navegação em todos os cômodos, coisa que o Arris se recusa a fornecer logo nos primeiros passos pelo corredor. Se você anda se perguntando porque não consegue navegar do quarto ou do banheiro, esta é a sua resposta.

Chega de conversa mole, né? Esta parte da configuração é simples. Não vamos perder muito tempo aqui.

Antes de mais nada, arranje um bom cabo de rede CAT5 ou CAT6 e espete uma ponta na porta denominada WAN da sua base WiFi e outra em uma das portas livres do seu roteador do ISP. Ligue a base WiFi, abra o Airport Utility, o aplicativo de configuração proprietário da Apple (why?!?!?), e conecte-o a ela. Se sua base é de gente e tem uma interface web para configuração, acesse-a e adapte os passos abaixo a sua necessidade.

Time Capsule em modo bridge.

Vá direto em Internet, aba Conexão à Internet. Selecione Ethernet em Usando Conexão e Desativado (Modo Ponte) para Compartilhamento de Conexão. Esse é o pulo do gato com a base WiFi, o tal 'modo bridge'. Ao selecionar isso, você está efetivamente matando todos os serviços de roteamento e configuração de rede que a base WiFi poderia oferecer e mantendo-a apenas como um ponto de acesso WiFi ao resto da rede. Os outros serviços como servidor de impressão e disco continuarão funcionando normalmente.

Configurações de TCP/IP, quase tudo em DHCP.

Depois, vá para a aba TCP/IP e coloque Usando DHCP na opção Configurar IPv4. Por que estou usando DHCP? Para refrescar sua memória, releia o artigo anterior, especificamente o tópico DHCP. Faça uma reserva de endereço no servidor DHCP do NAS para o endereço MAC da interface WAN da sua base WiFi que foi conectada ao roteador do ISP via cabo. Deste modo, sempre que a base for reiniciada, ela sempre receberá o mesmo IP e você não precisa se preocupar com essa configuração nunca mais, o que simplifica a manutenção da rede.

O único item que vamos precisar configurar manualmente nesta aba é o endereço do servidor DNS da rede IPv6. Mas não agora. Ignore isto por enquanto.

Configurações do WiFi.

Clique em AirPort, aba Sem Fio. Em Modo Sem Fio escolha Criar uma rede sem fio. Em Nome da Rede Sem Fio batize sua rede. Se você tem mais de um Time Capsule, Airport Express ou outra estação com capacidades WDS (Wireless Distribution System), ative Permitir que esta rede seja ampliada (e configure o resto para isso funcionar).

Em Modo Rádio cabe uma observação: se você mora em um lugar pequeno ou com paredes finas, fique a vontade para usar o modo 5GHz. Se o lugar onde você vive é grande ou as paredes são grossas, então ajuste para 2,4GHz. Se a sua base possui rádio duplo, ative os dois e seja feliz. Seu computador saberá em qual frequência se conectar quando estiver perto ou longe da base.

Em Canal, na maioria dos casos, deixe em automático. Isso só não vale se você notar que quando usa o seu telefone sem fio, a sua rede WiFi fica lenta ou cai completamente. Isto ocorre porque o telefone sem fio está usando a mesma faixa de frequência da sua base. Se isto ocorrer, ajuste o canal para 6 ou 11. Esses são os canais que costumam estar mais livres. Se quiser saber porque, vá pesquisar.

O resto é o de praxe: segurança da rede sem fio em WPA2 Pessoal (ou melhor se você souber como usar) e uma boa senha de acesso à rede WiFi. Por boa entenda longa e não óbvia. Cabe dizer que uma senha fraca não só permite que outros acessem sua rede sem que você autorize isso, mas também ter acesso aos dados que você trafega entre o seu computador e a base sem qualquer criptografia.

Terminado com a base WiFi. Clique em Atualizar (ou salve de acordo com a interface sua base), aguarde reinicar e a luz frontal ficar verde (no caso do Time Capsule), o que indica que está tudo certo e a base tem acesso à internet e pode aceitar conexões de outros dispositivos.

Agora arranque o cabo do seu computador, escolha a rede sem fio que você acabou de criar, digite a senha e voilà! Agora você pode continuar de qualquer canto da casa e o galerê vai curtir ter rede novamente para fazer as inutilidades de sempre.

PS: O AirPort Utility só roda em Mac e Windows. Você notou algo de estranho nos screenshots acima? A decoração das janelas não são nem de Mac, nem de Windows. Sim, meu caro detalhista. O AirPort está rodando no Wine, dentro do Linux. Instalar uma VM com Windows só pra isso é de 'cair os butiá do bolso'. Dica: configure o Wine para rodar como Windows 7 para instalar o AirPort Utility e depois coloque o APUtil.exe para rodar sempre com Windows 7. Isso libera o Wine para rodar em outros modos.